sábado, 28 de novembro de 2009

QUEM É O MAIOR PILOTO DE F1 DE TODOS OS TEMPOS?

Parece que está virando moda fazer enquetes em nível mundial. Faz uns meses aconteceu a votação mundial “As novas 7 maravilhas do mundo” e o Cristo Redentor e Macchu Picchu ficaram entre as vencedoras. Agora, o jornal italiano Corriere della Serra está fazendo uma enquete para saber quem é considerado o maior piloto de F1 de todos os tempos. Se você quiser dar seu voto para o brasileiro Ayrton Senna, pode linkar em: http://www.corriere.it/appsSondaggi/pages/corriere/d_96.jsp

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

A ORIGEM DA FEIJOADA

Tomado do Jornal do Brasil http://jbonline.terra.com.br/pextra/2009/11/20/e201125584.asp de 20/11/2009.
Fotos: cholinho.

Pesquisador conta como a feijoada surgiu na mesa de famílias cariocas

Rio.- A feijoada não surgiu nas senzalas, como invenção dos escravos, que juntariam sobras de carnes não aproveitadas pelos “senhores” para preparar um prato mais encorpado. Tampouco começou a ser preparada por famílias de poucas posses que requentariam sobras de refeições anteriores para reforçar a alimentação. Ela foi criada para servir como comida para as elites do século 19, especialmente nas famílias cariocas mais ricas. Esta é a tese de um estudo feito pelo pesquisador da Universidade Federal Fluminense (UFF), Almir Chaiban El-Kareh sobre o prato que melhor simboliza a culinária nacional.

– Minha teoria é que a feijoada, como a conhecemos, surgiu nas famílias ricas, porque os miúdos eram valorizados pelas elites. Os ricos comiam refeições com feijão incrementado com diversas carnes e miúdos. Os pobres comiam feijão ralo, com pequenos pedaços de carne-seca ou toicinho – afirma Almir.

Almir baseou sua pesquisa em relatos de viajantes estrangeiros que visitaram o Brasil, em especial o Rio de Janeiro, ao longo do século 19. Um destes viajantes foi o pintor francês Jean-Baptiste Debret.

– Segundo Debret, os escravos comiam a mesma comida que os patrões. Alguns chegavam a comer juntos no mesmo recinto. Os patrões sentados à mesa e os escravos em esteiras no chão. Isso reforçou minha tese de que os escravos não preparavam a própria comida – comenta o pesquisador.

Mas antes de cair no gosto das famílias ricas e se tornar o ingrediente principal da feijoadas, o feijão encontrava muita resistência entre as famílias mais ricas do Rio de Janeiro. Pouco depois da transferência da família real e de sua Corte para o Brasil, em 1808, os feijões ainda eram classificados como “comida de pobre”.
Debret
Almir diz que esta informação foi tirada dos relatos de Debret. Segundo o pintor francês, que chegou ao Brasil em 1816, as famílias ricas tinham como prato mais tradicional o cozido português, acompanhado de galinha, arroz e farinha de mandioca.

– O feijão ainda não aparecia na mesa das elites naquele momento – diz Almir, acrescentado que seu consumo era velado. – Debret escreveu que, na época, os pequenos comerciantes comiam feijão com um pedaço de carne-seca e farinha, regado com muita pimenta, mas escondidos de todos, no fundo das lojas.

No entanto, segundo o pesquisador, já por volta de 1830, todos os viajantes que escreveram relatos sobre o Brasil, atestaram que ricos e pobres comiam feijão, carne seca e toicinho todos os dias. Essa aceitação gradual do consumo de feijão pelas elites acabou por sobressair à incorporação dos hábitos europeus e transformou o cozido português numa segunda opção .

O interessante é que a invenção da feijoada e sua incorporação aos hábitos alimentares da população se deu em paralelo à permanência da família real portuguesa no Brasil, nas primeiras duas décadas do século 19.

A etiqueta à mesa foi uma das influências da estada da família real no Rio de Janeiro. Aos poucos, a sociedade carioca assimilou a etiqueta e as boas maneiras europeias, usando talheres. Porém, só mudou a forma de comer e não o conteúdo – a própria comida. No caso, a feijoada, que foi ganhando cada vez mais espaço na mesa do carioca e do brasileiro.

– A alimentação é o ponto de maiores resistências à mudança porque é um hábitos adquirido na infância. A elite mudou de roupa, copiando a moda francesa, mas não mudou de gosto alimentar. Essa foi a vitória da feijoada.

Da Redação, com Agência Faperj.

Como permanecer acordado no pós-banquete.

Comer uma feijoada e sair ileso, bem disposto e, sobretudo, pronto para qualquer atividade, é uma verdadeira arte. Se houver exagero, o pós-feijoada pode fazer com que a gravidade exerça uma força quase que sobrenatural sobre as pálpebras, levando a um estado de sono irreversível – embora delicioso.

– Para não capotar após a feijoada, a gente recomenda uma certa moderação. Nossa receita é optar por três pedaços de carne, como lombinho, carne seca e costela e um de linguiça. E o ideal é evitar os pedaços mais gordurosos – diz Leonardo Rangel, diretor da Academia da Cachaça, onde são servidas pelo menos 300 feijoadas entre a sexta-feira e o domingo.

Uma cachaça envelhecida com limão, além de abrir o apetite, ajuda na digestão, segundo Ana Beatriz Rezende, nutricionista da Academia da Cachaça. O limão na cachacinha, por conter vitamina C, facilita o trabalho do estômago e companhia e ajuda a absorção do ferro. Assim como a laranja.

– A gente recomenda que a pessoa coma meia laranja junto com a feijoada. Além da couve, que também ajuda o organismo a processar a comida, por causa das fibras vegetais – diz Leonardo.

Seguindo – conseguindo seguir – estas orientações, a feijoada certamente dará uma sensação de saciedade e prazer inigualáveis.

Mas, por precaução, é bom deixar aquela poltrona confortável ou até mesmo o sofá da sala desocupado, para pelo menos uma rápida cochilada.
..........
Vocabulário:
Senzala = alojamento dos escravos.
Encorpado = consistente, espesso.
Posse = detenção duma coisa com o fim de tirar dela qualquer utilidade econômica.
Requentar = esquentar novamente.
Capotar = cair em sono profundo ou desmaiar de repente.
Cochilar = dormir levemente; dormitar.
............

E aí, você já experimentou uma boa feijoada? Conte-nos sua experiência. Veja se consegue abrir o apetite de quem não experimentou ainda! E quanto às recomendações finais do artigo, o que você acha?

domingo, 22 de novembro de 2009

UMA PALAVRA...

Oi pessoal, vamos criar uma nuvem de palavras? Explico: gostaria que cada um de vocês escreva a primeria palavra com que relacionam o nome Brasil, uma só, a primeira palavra que vem à sua cabeça quando escutam "Brasil", e a escrevem nos comentários, sem importar se ela se repete. Nem precisa colocar seu nome. Logo, com todas as palavras escritas por vocès, eu crio a nuvem. Falou? Aguardo por elas.

sábado, 21 de novembro de 2009

SEXTA-FEIRA E SEGUNDA-FEIRA...

Nem tudo é estudo e tarefa, pessoal, um pouco de riso também é necessário!
Acontece assim com você? Fala aí a verdade...

video

domingo, 15 de novembro de 2009

2do ciclo - TAREFINHA SOBRE O PRETÉRITO IMPERFEITO

Pessoal, como a gente acabou de aprendeu o Pretérito Imperfeito, proponho o seguinte exercício: coletem dados sobre como era a vida faz 20 ou 25 anos atrás -aproximadamente quando vários de vocês estavam nascendo- quanto à família, ao trabalho e à diversão, e em aula vamos estabelecer algumas comparações entre aquela época e a atual. Podem ir escrevendo o resultado das suas pesquisas aqui no blog, enquanto nós vamos discutindo o assunto em aula, tá bom?

Aguardo seus comentários, então.

1ro ciclo - TAREFINHA SOBRE O PRETÉRITO PERFEITO

Pessoal, já que estamos estudando o Pretérito Perfeito, deixo para vocês algumas canções escritas nesse tempo gramatical:

“Porta entreaberta” (Ivan Lins):
http://www.youtube.com/watch?v=ASMpJ8xhhh8

Mais Ivan Lins: “Velas içadas”
http://www.youtube.com/watch?v=s98i8nEh6LM
Nas legendas que acompanham esta musica, há um erro. Descubra-o!

Djavan & Al Jarreau- Flor De Lis - Heineken Concerts, São Paulo, 1997.
http://www.youtube.com/watch?v=eCwym3NgvsM

Se encontrarem outras, por favor compartilhem!

E a maneira de exercício prático, peço a vocês “escrever um jornal” com notícias sobre política, esportes, cultura, fofocas, etc., usando o pretérito perfeito como tempo gramatical base. As notícias devem ser redigidas (redactadas) por vocês mesmos, cada um de vocês contribui com uma e assim vai se "escrevendo" o jornal. Destaquem em negrita os pretéritos. Exemplo:


"Maradona é suspenso por dois meses. Entrevista na qual xingou jornalistas provocou punição da FIFA. O treinador foi multado em 25 mil francos suíços."

Aguardo suas notícias.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

O Brasil... rico?

El Comercio, 12 de noviembre del 2009.

Brasil puede ser uno de los países más ricos del mundo antes del año 2050

10:39 Control de inflación, crecimiento del PBI y aumento de uno de sus fondos de inversión extranjeros hacen estable la economía del vecino país.

Londres (EFE). Brasil podría convertirse en una de las cinco economías más potentes antes de mediados de siglo, según un informe especial sobre negocios y finanzas en el país sudamericano que publica en su último número el semanario The Economist.

Según el avance de este informe difundido hoy, si la estabilidad política y económica de Brasil perdura, este país podría situarse en el club de las economías privilegiadas del mundo. “Brasil está en racha”, dice el análisis de The Economist, que subraya que este país nunca se había visto antes en una situación en la que convivieran democracia, inflación controlada y crecimiento.

Se destaca que Brasil fue uno de los últimos países en verse atrapado por la actual crisis económica internacional mundial y que ha sido uno de las primeros en salir de la recesión, viendo su economía reducida únicamente durante dos cuatrimestres. “Parece que muchas cosas positivas están sucediendo en Brasil en estos momentos,” comenta John Prideaux, autor del informe.

LAS RAZONES

Son muchos los datos que invitan al optimismo: el país es autosuficiente en cuanto a suministro petrolífero, va a conceder un préstamo al Fondo Monetario Internacional y uno de sus fondos de inversión extranjeros ha crecido en un 30% cuando este sector muestra un declive del 14% en el resto del mundo.

El informe especial examina cómo ha surgido este reciente éxito y cómo las empresas tanto nacionales como extranjeras pueden sacar provecho de la nueva estabilidad en el país. “Todavía perduran muchos problemas”, admite The Economist, que añade que “sin embargo otros países también se enfrentan a problemas similares, pero Brasil ha conseguido un progreso real”.

NO TODO ES COLOR DE ROSA

El informe también aborda el lado oscuro de Brasil, citando a los políticos corruptos, un sistema legal poco funcional y un índice de homicidios y asesinatos altamente preocupante.

En el otro extremo de la balanza, se menciona la capacidad de desarrollo legislativo que ha demostrado la nación en materia económica y de regulación de mercados financieros. “Gracias a esta nueva estabilidad, la mejor cara de Brasil tiene muchas más posibilidades de imperar”, concluye Prideaux.